Isto é uma projeção de quanto pode ter sido desviado de 01/01/2018 até este exato momento por: desfalque, falcatrua, negociata, traficância, velhacaria e corrupção.
Trilhões Bilhões Milhões Mil Reais Centavos
 
Denúncia - Paraíba
28 de Julho de 2012, em Olho D'água - PB - R$ 240.000,00
Ex-prefeito de Olho D'água é denunciado por desvio de verbas da Saúde
Recursos provenientes da Funasa eram destinados ao controle da doença de chagas.
A Procuradoria da República em Sousa (PRM/SS) denunciou Júlio Lopes Cavalcanti, ex-prefeito de Olho D'água (PB), a 364 quilômetros da capital, por desvio de recursos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), ocorrido em 2005 e 2006.
Os recursos eram destinados a melhorias habitacionais para o controle da doença de chagas no município e, segundo apurou-se, foi repassado para a prefeitura, através do convênio nº 367/2003, o valor de R$ 240 mil. No entanto, o ex-prefeito se apropriou dos recursos financeiros do convênio, por meio da emissão de cheques em favor da própria prefeitura.
Para ocultar o desvio e ludibriar o Poder Público, o acusado encaminhou a prestação de contas à Funasa, na qual constava que os cheques sacados da conta corrente especifica do convênio haviam sido emitidos nominalmente à América Construções e Serviços Ltda, empresa responsável pela execução do objeto do convênio.
Conforme constatado pela Funasa, mediante vistorias técnicas realizadas em janeiro de 2008, apenas 36,1% das obras foram iniciadas, sendo que nenhuma das melhorias habitacionais foi concluída. Ainda segundo o relatório das vistorias, várias irregularidades foram constatadas como, por exemplo, substituição da linha de várias casas por dois caibros, construção dos tanques sépticos fora do padrão, até mesmo ausência de demolição de casa de taipa e remoção de entulho de todas as unidades.
O Ministério Público Federal pediu que o ex-prefeito seja condenado pelos crimes de responsabilidade por desvio de rendas públicas, em proveito próprio ou alheio, passível de reclusão de até 12 anos, e também por falsidade ideológica, podendo receber pena de até cinco anos de reclusão.